Notícia no “Público”

Blogoesfera une-se a pais contra Fundação D. Pedro IV

Diana Ralha

Corrente de solidariedade para denunciar alegadas ilegalidades
naquela IPSS

Um grupo de meia centena de pais de crianças que frequentam os sete estabelecimentos de infância da Fundação D. Pedro IV, em Lisboa, encontrou na blogoesfera um forte e inesperado aliado para a divulgação da turbulência que uma reestruturação económica está a provocar na qualidade e segurança das creches e jardins de infância que aquela instituição privada de solidariedade social gere, tendo à sua responsabilidade 850 crianças.
Começou ontem, na blogoesfera portuguesa, uma corrente de solidariedade para denunciar as alegadas ilegalidades que estão a acontecer nas creches e jardins de infância da Fundação D. Pedro IV, por via de falta de pessoal. Blogues como o 5dias, Indymedia, LisboaLisboa, Professoras Desesperadas e o Bitoque, lidos diariamente por centenas de cibernautas, deram eco ao protesto dos pais.
Foi há cerca de duas semanas que um grupo de pais de crianças matriculadas na Casa de Santana decidiu criar um blogue e um fórum no Yahoo para partilharem entre si relatos de indignação. Surpreendentemente, a palavra passou à velocidade da banda larga e sucederam-se em catadupa naquele blogue (https://paisdpedroiv.wordpress.com) relatos idênticos de dezenas de pais, nos quais se afirma que a reestruturação económica está a levar a reduções de pessoal que põem em causa a segurança física e emocional das crianças. Há vários testemunhos de pais que garantem que foram atribuídas tarefas de limpeza às educadoras e auxiliares de educação, devido ao despedimento de pessoal de limpeza e de cozinha.
A fundação mostrou-se aberta ao diálogo e representantes dos pais dos sete estabelecimentos de infância reuniram-se na semana passada com o presidente do conselho de administração, Vasco do Canto Moniz. As explicações, porém, dizem não ter sido suficientes.
Os encarregados de educação, afirmam, em comunicado, que assiste-se “à deterioração das condições de segurança, higiene e saúde das crianças que frequentam a instituição, e a quebra da confiança implícita que os pais depositavam num modelo de serviço existente aquando da inscrição dos seus filhos”. Referem que, durante a reunião, Vasco do Canto Moniz reconheceu que houve “uma diminuição na qualidade dos serviços prestados e um defraudar de expectativas dos pais”.
Esta versão é negada pelo gabinete de imprensa da instituição: “Vasco do Canto Moniz apenas reconheceu que estava em curso a reorganização dos serviços prestados, com garantia da manutenção das condições indispensáveis de segurança e bem-estar das crianças”. Em resposta ao PÚBLICO, a fundação garante que as educadoras “nunca fizeram limpezas, nem farão”.
Os pais, por outro lado, afirmam que o presidente do conselho de administração os informou que, durante os próximos dias, serão extintos mais dez postos de trabalho. Os encarregados de educação disponibilizaram-se para ser testemunhas das trabalhadoras em tribunal de trabalho. “Não faz qualquer sentido que haja lugar à extinção de postos de trabalho. A situação actual é de enorme carência, com graves reflexos na prestação do serviço às crianças”, afirmam.

“Público”, 30/01/07

Anúncios

3 Responses to “Notícia no “Público””


  1. 1 Tiago Mota Saraiva 30 Janeiro 2007 às 11:03 am

    A Fundação está a mentir.
    Na reunião com os pais o Eng. Canto Moniz, confrontado com situações, específicas admitiu que havia problemas graves.
    Os nove pais que estiveram presentes na reunião, até deram o exemplo da forma como haviam entrado no estabelecimento de Santana para aquela reunião. A porta foi aberta por uma mãe e os nove pais constataram que não havia ninguém para os receber à porta tendo-se dirigido para o gabinete da directora, tal como poderiam ter ido no sentido oposto, para a zona das salas de aula, sem que ninguém notasse.
    O Eng. Canto Moniz, atribuiu os problemas à falta de competência e disponibilidade das funcionárias e à inexistência de um plano organizativo da responsabilidade das directoras de cada uma das escolas – foi essa a única coisa que garantiu ir providenciar.
    O Eng. Canto Moniz, continuando-se a lamentar das pessoas que trabalham na instituição, referiu que estavam a levantar um pé de guerra, pois ele havia determinado que as funções de limpeza também deveria ser feita por elas! Garantiu ainda que ele próprio iria começar a despejar o seu cinzeiro!
    Os pais reafirmaram em vários momentos a sua total confiança nas funcionárias, aliás desculpem-me o aparte pessoal, único elo e garante que actualmente me liga àquela instituição.
    Por último deixo um alerta aos pais, novos e graves factos, serão divulgados nos próximos dias.
    É urgente a intervenção do Ministério da Segurança Social na Fundação.

  2. 2 Isa 31 Janeiro 2007 às 12:44 am

    Boa Noite,

    Depois de ver tanta barbaridade publicada contra a Fundação que eu sempre admirei pelo trabalho realizado fico sem palavras.
    Não podemos esquecer os comentários que muitos pais faziam às auxiliares de acção educativa, a algumas educadoras e até mesmo à Directora, nem sempre eram os mais positivos, estavam sempre a reclamar todos os dias.
    Ou era porque os filhos tinham febre e não podiam ir a escola, ou porque eram muito exigentes, ou porque descriminavam os seus filhos.
    Muitos deles não queriam os filhos misturados com as crianças mais humildes que foi sempre uma coisa de valorizei nesta instituição.
    Deixamo-nos de lutas em vão sabemos que a Fundação vai ser o que sempre foi não é ter 2 ou 3 adultos a menos.
    Os pais até reclamavam pelo facto de ter uma senhora com alguma deficiencia a trabalhar no estabelecimento, no entanto pela frente eram muito amigas.
    Força fundação pelo trabalho realizados ao fim de tantas decadas não é uma movimentação de alguns pais que vai abalar tanto trabalho

  3. 3 Tiago Mota Saraiva 31 Janeiro 2007 às 11:32 am

    A Isa, que diz ser de S. Vicente é a mesma que assina outros comentários como Ana Marques, ora de S. Vicente ora de Santana. Caríssima, acho legítimo que defenda os interesses do CA da Fundação, terá as suas razões para o fazer, agora tenha a honestidade de dar a cara por aquilo que diz.
    Primeiro não acredito que tenha nenhum filho nesta instituição, pois se assim fosse estaria preocupada com tudo o que está a suceder.
    Em segundo lugar, se quiser continuar a participar neste blogue, de uma forma desonesta assinando sob vários nomes, sugiro-lhe que junte à desonestidade um pouco de inteligência, não o fazendo sempre do mesmo IP…
    Dou-lhe outra dica, não vai ser fácil demover os pais, por duas ordens de razão: nós vemos diariamente o que se passa na Instituição e quem está em causa são os nossos filhos.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Divulgação Cultural

Blog Stats

  • 233,706 hits

%d bloggers like this: